2005-08-07

A escolha não é difícil

Disse Jerónimo de Sousa, referindo-se à escolha do candidato do PCP ou da CDU à Presidência da República.
Esta declaração, que ouvi repetidamente, chocou-me um pouco, intuitivamente penso que Jerónimo de Sousa deveria ter dito “a escolha não é fácil”.
Vejamos os factos:
Ninguém terá dúvidas que seja quem for que o PCP escolha independentemente não será nunca um candidato vencedor, isto independentemente de merecer sê-lo ou não.
Neste caso, Jerónimo de Sousa falou verdade, a escolha não é nada difícil, basta sortear alguém entre um número anónimo de indivíduos que poderia incluir mesmo um cão ou um macaco. Dado que o objectivo não é claramente alcançável qualquer candidato serve.
Mas poderá dizer-se isto à comunicação social, assim, confessar à partida que tudo isto é uma farsa, julgo que não. Seria talvez para o Louçã dos velhos tempos ou para qualquer partido fora do sistema, por exemplo o eterno candidato, sempre presente e sempre ausente, o candidato Vieira dos “Ena pá 2000”.
Porque o disse então ? Jerónimo de Sousa, terá todos os defeitos mas não é, manifestamente parvo.
Claro que o que ele queria dizer, e deixou implícito, é que o PCP, na sua Direcção tem tanta gente capaz de preencher o cargo que pode fechar os olhos e apontar que sairá um bom candidato. Não é difícil escolher, portanto.
Mas mesmo assim foi incorrecta a declaração. Banalizar a escolha real, que todos suspeitamos irá ser Carlos Carvalhas.
Quando tornar pública essa escolha dará a ideia de que foi este mas poderia ter sido qualquer outro porque tem muitos e bons, enfraquecendo-o à partida.
Está claro, para mim, que ainda que seja a escolha mais fácil do mundo, para quem está dentro do sistema, o que se terá de se dizer sempre é que é muito complicado, face à suposta importância do lugar em causa: Presidente da República, a escolha, mesmo que seja entre os mais brilhantes candidatos e até por ser entre os mais brilhantes candidatos, deverá ser sempre de grande transcendência e dificuldade e tanto mais quanto mais simples for.
A língua tem muita importância, essa é que é essa.

1 comentário:

Raquel disse...

Sabes que quando eu ouvi a entrevista do Jerónimo de Sousa, pensei exactamente o mesmo que tu?
De facto a língua portuguesa é muito traiçoeira e é por isso que tem de se ter muito cuidado ao usá-la