2005-06-10

Referendos

Em Portugal, e não só, a figura do referendo, ao contrário do que se possa pensar, não visa dar ao povo a capacidade de decidir em questões concretas, não senhor, o que se pretende é apenas a legitimação de políticas já decididas.
E este equívoco é encarado da forma mais natural, ao ponto de se discutir os recentes casos francês e Holandês não como uma decisão legitimamente tomada mas antes como um embaraço processual ao qual ninguém sabe ainda como dar a volta.
Note-se que apesar da minha insistência nesta incoerência democrática, o meu coração até pende mais para o sim a esta carta constitucional, mas isso é uma questão comigo mesmo, apenas.

1 comentário:

jpt disse...

bom ponto