2007-10-28

James Whatson

Não faço ideia, nem tampouco me importa muito, saber se a raça negra é mais ou menos inteligente que a orgulhosa raça caucasiana, até porque a inteligência tal como nós geralmente a vemos e tentamos medir nos testes de QI tem uma marca cultural vincada, é feita á nossa imagem e semelhança.
Depois este modelo civilizacional que criámos não abona muito pela inteligência da raça branca, talvez se fossemos um pouco mais burros as coisas tivessem corrido melhor.
Por último os homens não se medem nem aos palmos, nem aos QI, nem a nenhum atributo de que tenha sido dotado sem que tenha contribuído nada para ele.
Despedir o Sr. Whatson de um dos seus empregos e crucificá-lo na praça pública por dizer que pensa que os pretos são menos inteligentes do que os brancos é que não demonstra, de facto, muita inteligência.

1 comentário:

Joana disse...

Pai, o problema é que as afirmações do Whatson não têm fundamento científico, não foram medidas quaisquer diferenças e, ainda que o tivessem sido, colocam-se os problemas de metodo que mencionaste sobre o desenho dos testes de QI não serem contextualizados. Para além do mais, a própria genética tem destruido o próprio conceito de "raça".

Um cientista conceituado deveria ter a responsabilidade ética de não usar o sua posição para fazer passar por ciência aquilo que é opinião. E, penso, foi despedido por este levianismo e não por essa opinião.

A responsabilidade é ainda maior nunca caso destes onde uma das "raças" tem sido historicamente subjugada pela outra. E ainda que o Whatson tenha pedido desculpa e referido q era apenas uma opinião sem base em qq estudo a verdade é que quem é racista (e inteligente) não perderá a oportunidade de esquecer esse detalhe e de usar as palavras de Whatson como um argumento de racismo científico, qd de científico nada tem, apenas quem as professou é cientista.